InícioRegião dos LagosCabo FrioJustiça mantém preso ex-garçom acusado de fraudes bilionárias envolvendo criptomoedas

Justiça mantém preso ex-garçom acusado de fraudes bilionárias envolvendo criptomoedas

Representante da GAS Consultoria foi preso na manhã desta quarta-feira (25), na Operação Kryptos. Manifestantes pedem que justiça “solte o homem”

Dono de consultoria sediada na Região dos Lagos, Glaidson Acácio dos Santos foi detido em operação da PF que investiga esquema de pirâmide financeira

O ex-garçom Glaidson Acácio dos Santos, de 38 anos, preso na última quarta-feira pela Polícia Federal (PF) e pelo Ministério Público Federal (MPF) vai continuar preso. Ele é acusado de fazer parte de uma organização criminosa responsável por fraudes bilionárias envolvendo criptomoedas na Região dos Lagos. A decisão foi tomada nesta sexta-feira pelo juiz federal Vitor Barbosa Valpuesta, da 3ª Vara Federal Criminal. Após a audiência, o advogado Thiago Minagé, que defende Glaidson, informou que vai ingressar com um habeas corpus no Tribunal Regional Federal (TRF).

“O juiz manteve a prisão preventiva embora eu tenha apresentado toda a documentação comprovando que não havia nenhuma intenção de fuga. (Havia) Passagens de ida e volta com data marcada, reserva em um resort com check-in e check-out. Haveria nos dias 25, 26, 30 e 31 de agosto uma conversão da GAS em Punta Cana (na República Dominicana) com seus consultores. As pessoas iriam para lá para isso e retornariam. O próximo passo é impetrar o pedido de HC (habeas corpus)”, disse Minagé.

Além de Glaidson, continuarão presos Tunay Pereria Lima e sua mulher, Márcia Pinto dos Anjos. O juiz, no entanto, determinou a soltura de Guilherme Silva de Almeida, preso no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, e de Arthur dos Santos Leite.

O advogado de Arthur dos Santos Leite celebrou a libertação:

“A Justiça foi feita. A Justiça foi aplicada corretamente”, disse o advogado Filipe Borges de Oliveira.

Bruno Albernaz, que defende  Guilherme Silva de Almeida, contou que seu cliente está aliviado. “Ele não tem nada a esconder. O juiz viu, e a justiça está sendo feita.”

A audiência de custódia começou pouco depois das 14h40, e a decisão foi proferida depois das 17h. Enquanto ocorria a audiência, dois advogados que não representavam os presos tentaram acompanhar, mas foram impedidos.

Ligação com outro escândalo

Glaidson Acácio dos Santos está ligado a outro escândalo nos mesmos moldes. De acordo com informações da Justiça do Paraná, o ex-garçom é um dos principais credores com valores a receber após a falência do Grupo Bitcoin Banco, decretada em julho. Responsável pelas operações do grupo, Cláudio José de Oliveira, conhecido como “Rei do Bitcoin”, foi parar atrás das grades dois dias antes de suas empresas falirem oficialmente — assim como Glaidson, ele também foi alvo de uma ação da Polícia Federal.

Apoiadores de Glaidson organizam protesto

Mais um protesto em apoio à Glaidson Santos, preso na manhã desta quarta-feira (25), na Operação Kryptos, por suspeita de pirâmide financeira envolvendo transações com criptomoedas, acontece no final da tarde desta sexta-feira (27). Desta vez, apoiadores do representante da GAS Consultoria e Bitcoins se reúnem na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, para pedir a liberdade do empresário.

Assim como aconteceu na Avenida Litorânea e na Avenida Wilson Mendes, em Cabo Frio, nesta quinta-feira (26), manifestantes usam placas e cartazes em apoio a Glaidson. Alguns deles dizem “Família GAS”, “Gratidão GAS” e “Clientes GAS com orgulho”.

De acordo com um dos apoiadores, o protesto conta com três carros de som e centenas de carros. Eles afirmam que vão seguir até o PROJAC, sede da Rede Globo.

A audiência de custódia do empresário aconteceu nesta sexta-feira (27), às 14h. Até o momento, não há informações sobre qualquer decisão judicial.

Clientes da GAS Consultoria também criaram um abaixo-assinado no site Petição Publica Brasil, pedindo pela manutenção das atividades empresa e pela revogação da prisão do Glaidson Acácio dos Santos, até que se prove que suas atividades são ilícitas.

O documento afirma que, ao longo de aproximadamente 7 anos, mas principalmente no período da pandemia, a atuação da Gas Consultoria Bitcoin foi fundamental, “salvando inúmeros comerciantes da falência, sustentando e mantendo o quadro de funcionários de pequenos comércios, bem como colocando a comida na mesa do trabalhador que não tinha mais a opção, ou demanda, para o trabalho (no caso dos autônomos). Ou seja, a GAS foi fundamental para a vida de milhares de famílias, principalmente na cidade de Cabo Frio e região”.

O empresário foi localizado e detido em uma mansão onde mora na Zona Oeste da capital. Ele também é proprietário de um residência no Condomínio Moringa, em Cabo Frio.

Durante a força-tarefa, foram apreendidos mais de R$147 milhões em bitcoins, que estavam em carteiras físicas, além de quase R$14 milhões em espécie, libras esterlinas, euros, carros de luxo, joias, relógios e documentos.

Outras quatro pessoas também foram presas durante a operação. Entre elas, a esposa de Glaidson, a venezuelana Mirelis Yoseline Dias Zerpa; e um trader identificado como Arthur dos Santos Leite, contratado da GAS, que estava em Cabo Frio.

VEJA TAMBÉM
- Advertisement -
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img

Mais Lidas

Skip to content