São Pedro da Aldeia celebra Dia Nacional da Visibilidade Trans

Roda de conversa mostra importância de falar de políticas públicas para esse público

259

Em São Pedro da Aldeia, o evento que celebrou o Dia Nacional da Visibilidade Trans reuniu representantes do poder público e da comunidade LGBTQIA+ no Cine Estação, nesta terça-feira (1º).

Para a coordenadora do Departamento de Direitos Humanos, Luciana de Oliveira, tratar políticas públicas para todos, sem exclusão é fundamental. “Sentimos cada vez mais a responsabilidade de lutar para dar total visibilidade às pessoas trans e a todas as políticas públicas que estão disponíveis nos nossos equipamentos. Temos a certeza que vamos colher os frutos desse encontro no futuro”. 

A conversa foi comandada pela psicóloga Andrea Almeida, especialista no assunto. “Falar de transfobia é falar de um comportamento social. Esclarecendo seus direitos, sobre o tempo de cada um, sendo um comportamento social, é importante falar de responsabilidade. Com isso, tentar transformar a palavra diversidade em tranquilidade”, ressaltou a palestrante. 

Para a coordenadora de Políticas Públicas LGBTQIA+, Paula Azevedo, encontros como esse trazem à tona um assunto que muitas vezes é colocado debaixo do tapete. “Eu sou negra, sou gorda, sou mulher e sou lésbica. A pessoa trans mata 5 leões por dia para sobreviver. Só vamos viver numa sociedade igualitária, se essa temática LGBTQIA+, for tratada como política pública, na educação. Os pais, na maioria das vezes, quando percebem uma criança transgênera, não sabem como lidar com a situação”. 

Paula lembrou ainda da morte trágica de um travesti no último fim de semana na Região dos Lagos. “Isso é inaceitável. O Brasil é o país que mais mata transexuais e travestis no mundo e a média de idade dessas pessoas é de 35 anos no máximo. Com educação e empregabilidade podemos mudar essa situação.”

A secretária de Assistência Social e Direitos Humanos, Diana Alves, também esteve presente no evento, que contou ainda com a participação de representantes do Centro de Cidadania da Baixada Litorânea I e II Cláudio Lemos, como Théo Silveira, Diogo Marialva e Rute Fiuza, além do secretário municipal de Cultura, Thiago Marques e servidores da SASDH. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui