InícioDestaquePrefeito de Rio das Ostras tem pedido negado na Justiça para encerrar...

Prefeito de Rio das Ostras tem pedido negado na Justiça para encerrar comissão que investiga denúncias na saúde

Na última terça-feira (28), o Marcelino Borba (PV) foi convidado a prestar depoimento diante dos parlamentares. Já na quarta (29), foram chamadas todas as testemunhas de defesa que foram citadas por ele no dia anterior

O prefeito de Rio das Ostras, Marcelino Borba, pela terceira vez, entrou na Justiça com um pedido para encerrar a Comissão Especial Processante (CEP), formada para investigar denúncias na saúde do município, e, mais uma vez, teve o pedido negado.

No último dia 22, a Câmara aprovou, por 9 votos a 3, o prosseguimento das investigações sobre as infrações político-administrativas cometidas por Borba. A CEP havia sido suspensa anteriormente após uma liminar judicial, após o vereador Sidney Matos Filho, relator comissão pedir o arquivamento das denúncias, através de um relatório entregue em 26 de novembro à Câmara.

Na época, o parlamentar afirmou que, após leitura da defesa do prefeito, não constatou irregularidades que possam levar Marcelino a perder o mandato. A Comissão foi aberta a partir de denúncias apresentadas pelo ex-servidor municipal Diego Machado, durante a sessão do dia 3 do mesmo mês. Em decisão contrária, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) entendeu que as provas previamente apresentadas são suficientes e determinou o reinício da investigação.

O prefeito Marcelino havia conseguido, em 29 de novembro, uma liminar na Comarca de Rio das Ostras suspendendo as investigações. A Câmara Municipal entrou com um pedido de agravo no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), e, no dia 17 de dezembro, o Desembargador Murilo Kieling, decidiu que os vereadores prosseguissem na investigação.

Novamente Borba entrou na Justiça pedindo para suspender esta última decisão e, em 22 de dezembro, a Desembargadora Marianna Lux, indeferiu. Assim sendo, a Comissão seguiu com os trabalhos.

Na última terça-feira (28), o prefeito foi convidado a prestar depoimento diante dos parlamentares. Já na quarta (29), foram chamadas todas as testemunhas de defesa que foram citadas por Marcelino no dia anterior.

Os vereadores prosseguem na investigação.

O relatório final poderá ser apresentado nas primeiras semanas de janeiro, quando terá que ser lido e votado em uma sessão extraordinária, no plenário da Câmara Municipal, de portas abertas para toda população.

Segundo a Legislação Municipal, caso seja comprovada a irregularidade, o Marcelino pode ser cassado, por decisão dos vereadores, que, em seguida, darão posse ao vice-prefeito, Luiz Ferraz, como Chefe do Executivo até 31 de dezembro de 2024.

Letycia Rocha
Pós-graduanda em Jornalismo Investigativo pela Universidade Anhembi Morumbi; Graduada em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Universidade Veiga de Almeida. Atuou como produtora/repórter na Lagos TV e Coordenadora de Programação na InterTV - Afiliada da Rede Globo. Editora no Blog Cutback e colaboradora no jornal O Dia. Vencedora do 3º Prêmio Prolagos de Jornalismo Ambiental, na categoria web.
VEJA TAMBÉM
- Advertisement -
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img

Mais Lidas

Skip to content