PM morre após acidente de trânsito em Rio das Ostras; motorista é preso por homicídio

2º Sgt Charles era lotado no 32º BPM de Macaé e foi a óbito depois de uma colisão envolvendo dois carros na madrugada de domingo (30); Pedro Bohrer apresentava sinais de embriaguez e foi capturado pela Polícia Civil após fugir do hospital

1074

Um agente lotado no 32º Batalhão da Polícia Militar (32º BPM) de Macaé, identificado como Luciano de Almeida Chagas, o 2º Sargento morreu em um acidente de trânsito na madrugada do último domingo (30). A colisão entre dois carros aconteceu na RJ-106, a Rodovia Amaral Peixoto, por volta das 3h.

Luciano era lotado na 3ª CIA de Rio das Ostras e estava de folga no momento do acidente. Ele dirigia o próprio veículo quando foi atingido pelo outro, dirigido por Pedro Henrique Bohrer, e morreu na hora.

Segundo a Polícia Civil de Rio das Ostras, Pedro estava aparentemente embriagado. “Quando me chegou a ocorrência, identificamos que se tratava de um rapaz que já tem mais de um homicídio na direção de veículo automotor, além de outras ocorrências no mesmo sentido. Pedro já havia sido preso a cerca de 30 dias atrás por disparo de arma de fogo junto com um policial militar“, conta o delegado titular da 128ª Delegacia de Polícia de Rio das Ostras (128ª DP), Ronaldo Cavalcante.

Após a colisão, Pedro chegou a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros com ferimentos leves. Ele foi encaminhado para uma unidade de saúde rio ostrense e fugiu do local em seguida.

“Ele se evadiu orientado por advogados. A partir daí a situação flagrancial restou evidente, porque não houve como fazer o exame de alcoolemia e a prova testemunhas é contundente, no sentido de que estava embriagado, já que filmagens mostram que ele bebeu a noite toda. Embora estivesse de folga, mandei lavrar o auto de prisão em flagrante a partir do momento que conseguimos identificá-lo”, explica o delegado.

Pedro foi capturado por agentes da Polícia Civil ainda no domingo e permanece preso, autuado por conduzir veículo automotor sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência, com pena de reclusão, de cinco a oito anos, e suspensão ou proibição do direito de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

Cavalcante diz ainda que irá conversar com os promotores sobre um possível dolo eventual, já que o acusado é usuário de drogas e “que mesmo prevendo o que poderia acontecer, ele resolveu dirigir e causou a morte do policial militar. Nesse caso ele poderia responder por homicídio doloso e ir à júri popular”.

O 2º Sgt Chagas era morador de Barra de São João, em Casimiro de Abreu. O funeral será realizado nesta segunda-feira (31), em Campos dos Goytacazes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui