Juiz extingue processo de vereador de Cabo Frio contra vendedor ambulante por dano moral

Magistrado Fábio Costa Soares, da Vara Cível, não julgou o mérito do pedido de Roberto Jesus (MDB) afirmando que "os fatos são também objeto de apuração na esfera criminal"

484

O vereador de Cabo Frio Roberto Jesus (MDB) deu entrada, nesta segunda-feira (2), no juizado especial cível da comarca do município em um processo contra o vendedor ambulante Carlos Magne Monteiro por conta do episódio da semana passada em que o comerciante teria insinuado que o parlamentar era envolvido com o jogo do bicho.

A sentença da ação foi dada já nesta terça (3) e assinada pelo juiz Fábio Costa Soares. A decisão extingue o processo sem julgamento do mérito. De acordo com Fábio, “os fatos são também objeto de apuração na esfera criminal”.

O vereador Roberto Jesus foi procurado pela reportagem para se posicionar e disse que “na própria decisão, o juiz analisa que os fatos narrados são graves”.

Jesus afirmou que vai entrar, ainda nesta semana, com o processo na esfera criminal e, após a decisão, poderá “entrar na esfera cível novamente para pedir dano moral”.

Na petição inicial, Roberto Jesus pediu de Carlos Magne, que é dono de um trailer de bebidas e comidas na praça de São Pedro da Aldeia, 20 salários mínimos, o equivalente a R$ 24.240,00, a título de indenização por danos morais.

O Portal RC24h entrou em contato com a defesa de Carlos Magne, que informou que o processo que será movido por Maguinho contra Jesus por abuso de poder está em andamento. Ainda não foi protocolado, mas eles estão reunindo os documentos e compilando as provas para dar entrada.

Sobre o processo de Roberto Jesus, a advogada responsável informou que vai aguardar para apresentar a defesa no momento oportuno em relação as acusações de difamação e calúnia em face do Carlos Magne. “No mais, vamos tomar as providências em relação ao crimes cometidos pelo Edil”, concluiu.

Relembre o caso

Na noite da última quinta (28), o vereador de Cabo Frio Roberto Jesus chamou a polícia para levar um comerciante à delegacia após uma briga no WhatsApp. O policial militar reformado disse que acharia o comerciante onde ele estivesse e o levaria preso na hora.

A confusão começou por conta de uma conversa paralela entre o comerciante Carlos Magne Monteiro, o Maguinho, e um apoiador de Roberto Jesus. Maguinho disse que, se o tal apoiador não é a favor do jogo do bicho, ele está no lugar errado.

O vereador, que é pré-candidato a deputado estadual, entrou no grupo na sequência e questionou se era a ele que Maguinho se referia.

Oh, jogador, eu não botei nome, mas você está se doendo. É você? Primeiro que você está se metendo em um assunto que você chegou depois. Mas se doeu, se a carapuça serviu, tá o dito aí“, disparou o comerciante.

Você está acostumado a lidar com moleque. Você vai falar de novo, agora, que é meu nome, não é carapuça, não, meu irmão. Vai falar onde que você está e eu vou te achar onde você estiver e vou te levar para delegacia preso agora. Tu vai provar, irmão. Tá achando que é moleque?“, disse Jesus, exaltado, em resposta ao comerciante no grupo.

Maguinho disse, então, que não era necessário achá-lo, porque ele estava trabalhando no quiosque de bebidas e comida dele, na Praça de São Pedro da Aldeia.

Roberto Jesus, então, foi até ele e chamou a viatura. Os dois entraram no veículo policial e foram para a 125ª DP, em São Pedro da Aldeia, onde o caso foi registrado.

Vereador e comerciante foram ouvidos e liberados na sequência.

Na ocasião, ao Portal RC24h, Maguinho disse que Jesus não se apresentou como vereador na delegacia e, sim, como policial. O comerciante alegou ainda que os agentes não o deixaram ir com o carro próprio para a 125ªDP e não o levaram de volta ao seu local de trabalho, após a liberação.

O comerciante também questionou a velocidade com que Jesus conseguiu uma viatura para o caso, visto a dificuldade encontrada por cidadãos no dia-a-dia.

Maguinho disse também que iria no 25º BPM na sexta (29) registrar caso de abuso de autoridade do policial reformado na ocasião.

O vereador Roberto de Jesus também foi procurado pela reportagem e deu sua versão dos fatos.

Acusaram um apoiador que seu pré-candidato teria envolvimento com contravenção penal, ao ser informado sobre o fato perguntei de quem o rapaz que estava acusando se tratava, já que o apoiador já tinha se manifestado publicamente o apoio à minha pré candidatura. O mesmo rapaz que estava acusando disse que se a carapuça serviu ele tinha o dito. Dessa forma eu perguntei onde ele se encontrava, e que ele pudesse provar falsa acusação“, disse Jesus.

O acusador disse onde se encontrava e que estaria me aguardando. Ao chegar no local acionei uma viatura através do 190, relatei o ocorrido e os policiais então nos conduziram até a delegacia para apreciação do delegado de polícia. Em nenhum momento mandei a viatura levar ninguém, foi somente comunicado aos policiais os fatos e através disso foi decidido que as partes seria conduzida a DP“, continuou.

Então fomos eu e o rapaz que fazia a acusação caluniosa na mesma viatura até a 125⁰ DP, onde foi feito o registro. Na viatura o rapaz disse que política é assim mesmo, só que tenho meu caráter independente de profissão, e qualquer pessoa que seja que levantar acusações sobre minha pessoa terá que provar. Para isso, serve a justiça e nossas leis“, finalizou o vereador.

Perguntamos a Jesus também sobre a insinuação de que ele teria ligação com o jogo do bicho.

Nunca ouvi falar nessa história na cidade. Não confirmo essa história e fiz questão de levar para a delegacia e também vou levar ao conhecimento do judiciário através de uma ação já na semana que vem“, respondeu Roberto Jesus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui