Diante do risco de um surto de zika, invasão de mosquitos em Cabo Frio é motivo de alerta

Em nota, a Prefeitura do município diz que avalia, de acordo com análise constante das arboviroses nos bairros, se utilizará novamente a estratégia de aplicação do inseticida por meio do carro fumacê

604

Nas últimas semanas, um dos assuntos mais comentados entre a população cabo-friense tem sido as intensas infestações de mosquitos. Com o fato, outras preocupações também surgem, pois uma picada pode desencadear várias doenças. Em uma pesquisa revelada recentemente e disponibilizada pela reportagem do BBC, cientistas alertam que um surto de zika é bem possível, e uma única mutação poderia ser suficiente para desencadear uma disseminação explosiva.

Em 2016, o zika vírus – que é transmitido principalmente através de mosquitos Aedes infectados -, foi o responsável por uma crise de microcefalia e de ser o causador de outros sintomas recorrentes como dor de cabeça, febre, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos.

Além da Zika, os mosquitos Aedes também transmitem outras doenças como a dengue, a febre amarela e a chikungunya. Portanto, é preciso atenção e cuidado aos ambientes de possível reprodução desencadeada desses insetos, para que os riscos de doenças sejam minimizados.

Cabo Frio avalia retorno efetivo do fumacê:

Perguntados sobre as estratégias de combate à multiplicação desses insetos, a Prefeitura de Cabo Frio, em nota, respondeu que retomou o serviço com o carro fumacê em fevereiro, após dois anos de interrupção, primeiramente por conta do encerramento do contrato de locação do veículo e depois em virtude da pandemia.

Na explicação, eles informam que a primeira fase atendeu os bairros Parque Burle e Parque Eldorado, além de bairros do distrito de Tamoios, como Aquarius e Santo Antônio. Na segunda fase da operação do serviço, o veículo está percorrendo os bairros Aquarius, Braga, Jardim Excelsior, Jardim Olinda, Parque Burle, Portinho e Novo Portinho.

A nota finaliza dizendo que:

“O setor de Vigilância em Saúde Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde avalia, de acordo com análise constante das arboviroses nos bairros, se utilizará novamente a estratégia de aplicação do inseticida por meio do carro fumacê.”

Mas como se proteger do mosquito se fatores externos ajudam sua proliferação?

Em uma denúncia recebida pelo Portal RC24h, a delatora falava sobre um terreno abandonado no bairro Peró que, com o alto matagal, atrai mosquitos para toda a vizinhança da Rua Getúlio Vargas.

“O Peró está infestado de mosquito!”, dizia ela.

Sobre o assunto específico, e pelo fato do terreno ter um dono, mesmo que ausente, a Prefeitura replicou, em nota:

“Com relação ao terreno no bairro Peró, a Prefeitura informa que a limpeza de áreas particulares é responsabilidade do proprietário, sendo a Comsercaf responsável pela conservação das áreas públicas. A Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos enviará uma equipe de Fiscais de Postura ao endereço citado, para identificar o proprietário do terreno e notificar o mesmo, para que providencie a limpeza.”

E finalizou disponibilizando os contatos:

“A Prefeitura destaca ainda que denúncias podem ser feitas via Ouvidoria Municipal, pelo e-mail: ouvidoria@cabofrio.rj.gov.br; telefones: (22) 3199-9017 / (22) 3199-9018 / (22) 3199-9019, ramais: 234 – 256 – 257; ou Whatsapp: (22) 99928-2195, de segunda a sexta-feira (exceto feriados), das 9h às 16h.” 

Vídeo enviado por uma internauta do Portal, moradora do bairro Vila Nova:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui