InícioDestaqueCâmara de Rio das Ostras instaura, por unanimidade, Comissão Processante para julgar...

Câmara de Rio das Ostras instaura, por unanimidade, Comissão Processante para julgar cassação de prefeito Marcelino Borba

Por 13 votos a 0, surpreendendo a todos, a abertura foi acatada, em sessão ordinária na noite desta terça-feira (3)

A Câmara de Vereadores de Rio das Ostras instaurou uma Comissão Especial Processante (CEP) para apurar denúncias de infrações político-administrativas contra o prefeito Marcelino Borba (PV). A decisão foi unânime.

A sessão ordinária desta terça-feira (3) durou mais de 4 horas, com a leitura do requerimento do vereador Marciel Nascimento (PL), solicitando a abertura da CEP, conforme as denúncias apresentadas pelo ex-servidor municipal Diego Machado. Por 13 votos a 0, surpreendendo a todos, a abertura foi acatada.

Segundo o documento apresentado pelo parlamentar, as condutas do prefeito violam “os princípios que regem a Administração Pública”. O pedido da CEP teve início a partir de uma uma denúncia de um ex-servidor comissionado, dando conta que o prefeito Marcelino teria convocado, em 2018, a empresa RG Planejamento para prestar serviços ao município mesmo estando ciente de que não havia mais contrato em vigor e de uma instauração de Tomada de Contas para apurar falha na prestação de serviços pela mesma empresa em ano anterior.

Durante a sessão, foram votados, ainda, os membros da comissão. O vereador Rodrigo Jorge Barros foi eleito presidente, Sidney Matos Filho relator, e Carvalhão será membro. A instauração da Comissão Especial Processante deve ser publicada em Diário Oficial até a sexta-feira (5), quando a comissão será oficialmente empossada. Até lá, os trabalhos burocráticos já podem ser executados, mas não há permissão para que sejam realizadas oitivas e decisões.

Após a publicação, o prefeito Marcelino tem dez dias úteis para apresentar a defesa. Feita a apresentação, a CEP terá cinco dias úteis para análise e apresentar um relatório que será lido, debatido e aprovado ou reprovado pelo plenário da Câmara.

Caso haja aprovação, o afastamento do prefeito entra em votação e, para que haja a disjunção, é necessário que seja aprovado por um terço dos vereadores, ou seja, nove dos parlamentares tem que ser a favor. O período de afastamento será de 120 dias, conforme regimento, assumindo o vice-prefeito Dr. Luiz Ferraz.

Com o fim do prazo, entra em votação a destituição de Borba do cargo de prefeito. Caso aprovado, o vice será empossado definitivamente, assumindo o governo até 31 de dezembro de 2024.

Letycia Rocha
Graduada em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Universidade Veiga de Almeida. Atuou como produtora/repórter na Lagos TV e Coordenadora de Programação na InterTV - Afiliada da Rede Globo. Editora no Blog Cutback e colaboradora no jornal O Dia.
VEJA TAMBÉM
- Advertisement -
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img

Mais Lidas

Skip to content