InícioCabo FrioCABO FRIO/ Peró vai ao Ministério Público em busca de saneamento básico

CABO FRIO/ Peró vai ao Ministério Público em busca de saneamento básico

Decisão foi tomada após reunião no início do mês entre quiosqueiros e a secretaria municipal de Meio Ambiente. Na ocasião, foi anunciado que a Prefeitura iria solicitar à Prolagos a retirada de esgotos em caso de saturação do sistema

Em Cabo Frio, moradores do Peró, vão procurar o Ministério Público nesta semana para pedir ajuda na solução do saneamento básico do bairro. A decisão foi tomada depois de uma reunião ocorrida no início deste mês, entre proprietários de quiosques e a secretaria municipal de Meio Ambiente.

No encontro ficou decidido que a Comsercaf (Companhia de Serviços de Cabo Frio) não vai mais recolher o esgoto produzido pelos quiosques, que é lançado nas galerias de águas pluviais do Peró.

Foi anunciado aos quiosqueiros que a Prefeitura vai pedir para a Concessionária Prolagos realizar a retirada de esgotos quando houver saturação do sistema precário que leva os detritos para a rede de água pluvial.

Em visita ao bairro antes das eleições, o Prefeito José Bonifácio (PDT) prometeu dar início à revitalização da orla e levar saneamento básico ao local. Até o momento, a Prolagos apenas levou água potável aos quiosques.

Apesar de ser um dos principais destinos turísticos do interior fluminense, o Peró não conta com rede separativa para coleta e tratamento de esgotos. Há suspeita de que o lençol freático do bairro já esteja comprometido. O problema é grave, mas não há registros de lançamento de esgotos na praia, pois a orla fica em um plano mais alto e os detritos escoam por gravidade em direção às ruas internas.

Os moradores temem, contudo, que a Prolagos não recolha o esgoto e lembram que o precário esgotamento sanitário da Rua Anequim, paralelo à praia, já esta comprometido, com detritos vazando pelos bueiros. “

“Além dos problemas no Peró, os esgotos são lançados in natura nas dunas e no Canal do Itajuru, que banha a Ilha do Japonês e deságua na Praia do Forte. Um crime ecológico. A prefeitura está abandonando o Peró”, lamentou o biólogo Octávio Menezes, do movimento Amigos do Peró.

A reunião com os quiosqueiros foi comandada pelo secretário municipal de Meio Ambiente, Juarez Lopes. Os comerciantes falaram das dificuldades que estão enfrentando durante a pandemia. Em decreto assinado na última sexta-feira (7), a prefeitura liberou a volta das mesas na areia da praia, com limite de dez unidades. Os restaurantes e bares podem funcionar até 23 horas.

Moradores do Peró há anos reclamam dos serviços da Prolagos, que faz cobrança de água por estimativa, mas não abastece corretamente o bairro na época de maior movimento do verão. A rede separativa de esgotos é outra reclamação. Os moradores e ambientalistas também se queixam da Prefeitura, que é a responsável pela concessão, de não exigir que a Prolagos leve os serviços ao bairro.

“A decisão da prefeitura é um retrocesso. Todos sabem que a Prolagos não presta um bom serviço no Peró e no Pontal do Peró. Qual a garantia que temos que fará a coleta do esgoto? Como se trata de uma área de preservação ambiental, tanto na área estadual quanto na federal, esperamos que o Ministério Público tenha atenção para o problema ambiental”, apelou Machado Silva, dos Amigos do Peró.

Em nota, a Prolagos afirma que o bairro está contemplado no projeto de implementação de rede separativa de esgoto em Cabo Frio, em complemento ao modelo coleta em tempo seco, que está em aprovação na agência reguladora.

VEJA TAMBÉM
- Advertisement -
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img

Mais Lidas

Skip to content