Após protestos, “Medida Provisória” estreia nesta quinta (21), em Cabo Frio

Dirigido por Lázaro Ramos, o longa metragem discute, entre outras coisas, sobre o racismo no Brasil; o Cine Araujo se comprometeu em exibi-lo

898
As representantes do Movimento Perifa Zumbi e da Unidade Popular de Cabo Frio em frente ao shopping do município, onde fica o Cine Araújo Foto: Redes Sociais

O Movimento Negro Perifa Zumbi e o Movimento de Mulheres da Região dos Lagos foram até o Cine Araújo, que fica no shopping de Cabo Frio, nesta terça (19), cobrar a exibição do filme “Medida Provisória”. O longa, que já chamou a atenção do público antes mesmo de ser assistido, denuncia o racismo estrutural no país. No cinema, os movimentos conseguiram o compromisso de exibi-lo, com estreia para esta quinta-feira (21).

Gravado em 2019 e muito premiado em festivais nacionais e internacionais, a data de estreia nacional ficou acertada para o dia 14 de abril deste ano. O diretor e grande elenco, que reúne nomes como Taís Araújo, Seu Jorge, Alfred Enoch, Emicida e Aldri Anunciação, fizeram questão de divulgar bastante e, além disso, também pediam para que o público aproveitasse a primeira semana para assistir.

O cinema de Cabo Frio, Cine Araújo, não estava no calendário de estreia do filme

Porém, em algumas localidades como em Cabo Frio, o filme não estreou. Tido como um marco para o movimento negro brasileiro, muitos cabo-frienses reclamaram nas redes sociais, principalmente no twitter e nas páginas do Cine Araújo, pedindo uma explicação para o fato – sem sucesso imediato.

“(…)Quando soube que não ia estrear em Cabo Frio, fiquei realmente indignada e percebi que muitos conhecidos compartilhavam desse sentimento. Percebi, também, que se eu quisesse realmente assistir teria que me deslocar para Niterói, o lugar mais perto com o filme no catálogo, o que era totalmente inviável”, disse a cabo-friense Isabelle Nogueira.

SOBRE O FILME

O enredo de “Medida Provisória”, primeiro filme dirigido pelo ator Lázaro Ramos, se passa no futuro. Na trama, num regime opressor, o governo brasileiro decreta uma medida provisória que obriga os cidadãos negros a voltarem para a África. Caracterizado como polêmico e distópico, o longa sofreu ataques, foi vítima de atrasos e até tentativas de boicotes.

“O filme, bancado com recursos públicos, acusa o governo Bolsonaro de crime de racismo. Temos o dever moral de boicotá-lo nos cinemas. É pura lacração vitimista e ataque difamatório contra o nosso presidente”, disparou o ex-presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, em suas redes sociais.

A atriz Taís Araújo e ator anglo-brasileiro Alfred Enoch interpretam os personagens principais do filme Foto: Divulgação/Internet

No site oficial do Cine Araújo, o filme já pode ser encontrado na programação, na aba “Em Cartaz”. A exibição acontecerá na Sala 6, em apenas dois horários: 15h15 e 22h. “Medida Provisória” ficará em cartaz até o dia 18 de Junho e os ingressos podem ser comprados diretamente no local, presencialmente, ou de maneira on-line, neste link.

ROLEZINHO” NO CINEMA

O Movimento Negro Perifa Zumbi, Movimento de Mulheres da Região dos Lagos e o Movimento de Mulheres Olga Benário estão organizando, em conjunto, um “rolezinho” no Cine Araújo, nesta quinta-feira (20). O objetivo é chamar à população da região e ocupar o espaço, para assistirem juntos ao filme.

No Instagram, para divulgar o evento, as organizadoras escreveram:

“Apesar do Cine Araujo ter disponibilizado apenas 2 horários de salas de cinema, nas menores salas, sem ao menos divulgar em cartaz que o filme será exibido, nesta quinta-feira (21) iremos lotar as duas sessões que acontecerão as 15h15 e 22h. Vamos valorizar o cinema nacional e a direção de pessoas negras.”

Imagem publicada nas páginas dos movimentos. Foto: Redes Sociais

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui