InícioRegião dos LagosCabo FrioTamoios, em Cabo Frio, vai ganhar polo de atendimento e prevenção às...

Tamoios, em Cabo Frio, vai ganhar polo de atendimento e prevenção às drogas

Serviço será oferecido a partir do próximo dia 19 no Centro de Referência e Assistência Social de Unamar

A partir da próxima segunda-feira (19), a população de Tamoios, em Cabo Frio, terá à disposição um serviço de atendimento para dependentes químicos. A ação será oferecida quinzenalmente pela equipe técnica da Superintendência de Políticas Públicas e Prevenção às Drogas, no Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) de Unamar. 

Para a superintendente da pasta, Rita Vidal, levar esse tipo de atendimento para o segundo distrito de Cabo Frio é fundamental para ampliar as políticas públicas de atendimento social e melhorar a qualidade de vida da população.  

“No primeiro distrito já desenvolvemos um trabalho contínuo, semanal, nos equipamentos da Assistência Social, na Casa de Passagem e no Centro de Acolhimento, além dos serviços de capacitação, palestras e experimentos sociais que realizamos em 16 comunidades terapêuticas da sociedade civil. Mas devido à distância, sentimos a necessidade de expandir esse atendimento também para Tamoios”, explicou. 

Rita alertou, ainda, sobre a importância de se atentar para o fato de que o dependente químico sofre de uma doença, e essa condição já cria barreiras inconscientes. 

“Não podemos permitir que a distância seja mais uma problema para esse tratamento. Como representantes do poder público, temos o dever de facilitar esse atendimento”, esclareceu Rita, lembrando que o atendimento será no Centro de Referência e Assistência Social porque é o equipamento que mapeia e encaminha os principais casos de dependência química.  

COMUNIDADES TERAPÊUTICAS  

A superintendente de Políticas Públicas e Prevenção às Drogas, Rita Vidal, também explica que além do acompanhamento aos usuários dos equipamentos da Assistência Social, a Prefeitura de Cabo Frio também realiza um trabalho em parceria com 16 comunidades terapêuticas em torno do município.  

“Nestes centros de recuperação nós realizamos um acompanhamento com os internos em grupos com o acompanhamento de dois psicoterapeutas. Nesses encontros desenvolvemos rodas de conversa como forma inicial de interação e exercícios lúdicos psicossociais”, contou. 

O psicanalista e coordenador da Superintendência, Roberto Rocha, explica que uma das atividades desenvolvidas é um exercício lúdico chamado “Pedra de Tropeço”. 

“Muitos dependentes têm uma resistência em falar sobre os sentimentos, e eles são o caminho para chegar aos gatilhos mentais que levam à drogadição. A escolha da pedra como objeto principal do experimento representa como muitos deles se sentem na vida dos entes queridos ou na sociedade, como um fardo a ser carregado, uma pedra de tropeço”, explicou. 

A dinâmica inicia com uma anamnese em grupo com a apresentação da equipe e uma introdução com variados temas sobre a dependência química e suas fases, como a negação, abstinência, isolamento social, depressão, comorbidades (doenças derivadas do uso excessivo de drogas), entre outros temas. 

Durante a roda de conversa, a pedra circula entre os participantes com uma interrupção a cada três minutos, dando a oportunidade da fala para quem estiver segurando o objeto. Se o interno estiver à vontade, responderá a pergunta “o que mais te incomoda”? De acordo com o psicoterapeuta, a verbalização dos sentimentos é um passo importante no início do processo de cura. 

“O dependente químico é como uma criança, ele não sabe lidar com os próprios sentimentos. Por isso, experiências como esta são muito importantes para iniciar uma interação em grupo e para que as barreiras emocionais comecem a se dissipar”, contou.   

A psicóloga Shirley Serpa costuma finalizar o encontro com uma motivação aos assistidos destacando a força interior como a energia que o indivíduo precisa para a sua reintegração. 

“Eles precisam conhecer a sua força interior, porque ela será o catalisador da mudança de cada um”, explicou a psicóloga.

VEJA TAMBÉM
- Advertisement -
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img

Mais Lidas

Skip to content