InícioCovid-19São Pedro da Aldeia inicia vacinação em trabalhadores portuários da ativa

São Pedro da Aldeia inicia vacinação em trabalhadores portuários da ativa

Imunização começa nesta segunda-feira (31). Doses também são aplicadas em pessoas com comorbidades ou deficiência acima de 18, idosos e profissionais da saúde em atuação

É iniciada, nesta segunda-feira (31), a vacinação contra a Covid-19 nos trabalhadores portuários da ativa residentes em São Pedro da Aldeia. A aplicação das doses segue nas pessoas com comorbidades ou com deficiência permanente acima de 18 anos, em idosos de 60 anos ou mais e em profissionais de saúde atuantes que morem no município. Os cidadãos aptos a receberem a segunda dose (D2) também podem procurar os pontos de imunização (confira abaixo).

Esta etapa da vacinação acontece até a quarta-feira (2), das 8h ao meio-dia, em três locais no município.

  • – Escola Municipal Professora Miriam Alves Guimarães, às margens da RJ-140, no bairro Fluminense;
  • – Unidade de Saúde do bairro Porto do Carro, na Estrada do Alecrim, n° 388;
  • – Escola Municipal Manoel Moraes da Silva, na Rua Silva Jardim, bairro Campo Redondo. 

A Secretaria de Saúde destaca que a segunda dose da vacina (D2) é necessária para assegurar a imunização contra a doença. Quem recebeu a primeira dose do imunizante (D1) e estiver dentro do prazo para tomar a D2, deve procurar os locais indicados acima. O prazo para D2 da Coronavac é de 14 a 28 dias após o recebimento da D1. Já para a Oxford/AstraZeneca, é a partir de 90 dias após o recebimento da primeira dose.

Grupos Prioritários:

Comorbidades

  • – Moradores maiores de 18 anos que possuam alguma doença em conjunto com outra (Deve-se apresentar a comprovação da comorbidade);
  • – Pessoas com deficiência permanente, acima de 18 anos;
  • – Pessoas com doença renal crônica em processo de diálise; 
  • – Pessoas com síndrome de down a partir de 18 anos;
  • – Gestantes a partir de 18 anos com comorbidades (que devem ser imunizadas com a CoronaVac);
  • – Puérperas com comorbidades a partir 18 anos;
  • – Portadores de HIV a partir de 18 anos;

Idosos

– 60 anos ou mais

Profissionais de saúde

– que estejam em atuação e residam no município.

Trabalhadores Portuários

– na ativa e moradores de São Pedro da Aldeia.

Locais específicos imunizam públicos do grupo de comorbidades

Além dos três pontos disponibilizados para a vacinação, alguns grupos prioritários têm uma segunda opção de local para a realização do procedimento.

Pacientes com doença renal crônica, em processo de diálise cadastrados no Tratamento Fora Domicílio (TFD), poderão receber a vacina em domicílio. A Secretaria Municipal de Saúde entrará em contato para agendamento da aplicação da dose.

Puérperas (mulheres no período até 45 dias após o parto) com comorbidades podem procurar a Sala Central de vacinação, que fica na Travessa Getúlio Vargas, no Centro, de 8 às 12h, na quarta-feira (2).

Não haverá prioridade de atendimento aos públicos mencionados acima nos três pontos de vacinação do município.

Documentação e procedimentos necessários para receber a vacina

A Secretaria de Saúde destaca que todos os moradores devem apresentar documentação pessoal com foto, Cartão do SUS e comprovante de residência nominal no ato da vacinação. Alguns casos necessitam, ainda, de comprovantes específicos.

Caso o residente não possua comprovantes em seu nome, outras opções serão aceitas pelas equipes de triagem.

Confira abaixo as alternativas de documentação que podem ser apresentadas:

  • – Comprovante no nome do cônjuge com certidão de casamento ou contrato de união estável;
  • – Comprovante de matrícula de filho menor de 18 anos, tanto em escola pública quanto particular do município;
  • – IPTU;
  • – Contrato de compra e venda de imóvel no seu nome, ou contrato de locação de imóvel, ou razão social de empresas em seu nome (no caso de profissionais da saúde e donos de negócios como clínicas e consultórios);
  • – Original e cópia da declaração de terceiros, atestando a comprovação de residência, reconhecida em cartório. Atenção: A mesma ficará retida na unidade.
  • – Título de Eleitor que comprove residência na cidade.

Profissionais de saúde:

Comprovante atual de atividade na área, considerando as diretrizes da Resolução nº 287, de 8/10/98, do Conselho Regional de Saúde. O comprovante deve estar registrado em cartório. As diretrizes são indispensáveis também para os profissionais que atuam de forma autônoma.

Trabalhadores portuários:

Carteira profissional confirmando que o profissional está na ativa, além de comprovante de residência no município;

Comprovação de comorbidade:

Pessoas com comorbidade, de 18 a 30 anos, devem apresentar laudo médico e receita de medicação;

Pessoas com comorbidade acima de 30 anos:

  • – Receita médica ou de Enfermeiros da Atenção Primária com carimbo e assinatura;
  • – Pedidos de exames ou laudos contendo a descrição da doença;
  • – Declaração médica com carimbo e assinatura;
  • – Cartão de acompanhamento da doença pelas Unidades Básicas de Saúde e Estratégia de Saúde da Família.

Segunda dose (D2):

Comprovante de recebimento da primeira vacina (D1) no município.

A gestão pública ressalta que toda a população que recebe a vacina é catalogada para registro documental do processo de imunização. Os certificados são feitos nominalmente, com a assinatura daqueles que recebem as doses ou dos responsáveis por eles no ato da vacinação.

Veja quais casos de comorbidades incluídos como prioritários para a vacinação pelo Ministério da Saúde:

  • – Diabetes mellitus;
  • – Pneumopatias crônicas graves;
  • – Hipertensão Arterial Resistente (HAR);
  • – Hipertensão arterial estágio 3;
  • – Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade;
  • – Insuficiência cardíaca (IC);
  • – Cor-pulmonale e Hipertensão pulmonar;
  • – Cardiopatia hipertensiva;
  • – Síndromes coronarianas;
  • – Valvopatias;
  • – Miocardiopatias e Pericardiopatias;
  • – Doenças da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas;
  • – Arritmias cardíacas;
  • – Cardiopatias congênita no adulto;
  • – Próteses valvares e Dispositivos cardíacos implantados;
  • – Doença cerebrovascular;
  • – Doença renal crônica;
  • – Imunossuprimidos;
  • – Hemoglobinopatias graves;
  • – Obesidade mórbida;
  • – Síndrome de down;
  • – Cirrose hepática.
Letycia Rocha
Graduada em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Universidade Veiga de Almeida. Atuou como produtora/repórter na Lagos TV e Coordenadora de Programação na InterTV - Afiliada da Rede Globo. Colabora no jornal O Dia e Blog Cutback.
VEJA TAMBÉM
- Advertisement -
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img

Mais Lidas

Skip to content