REVIRAVOLTA: Clínica de Cabo Frio rebate acusação de falsa eutanásia e alega maus tratos a cachorro

Os donos do estabelecimento afirmam que, depois de dois anos, o animal engordou 5 kg e que, desde o momento em que permaneceu na clínica, nunca mais apresentou problemas com a projeção do reto para fora.

3001

Após denúncia de “falsa eutanásia”, alegada pelo advogado de uma mulher que se sentiu lesada após ter pago o procedimento para o seu cachorro e não ter acontecido, a clínica de Cabo Frio, que prefere não ter seu nome divulgado, pediu direito de resposta e, após apresentar provas, afirmou que, na verdade, Batucada sofria maus tratos e, por isso, não foi devolvido após o tratamento. Além disso, dizem que não foi orientação médica e que, na verdade, quem pediu pela intervenção foi a dona do animal.

Na denúncia inicial, que foi feita nesta quinta-feira (14), o advogado da proprietária do cãozinho contou que a clínica teria se recusado a devolver o animal e, além disso, teria sido comprovado que não existiam maus tratos. Contudo, no relato dado pelos donos do estabelecimento, vários pontos são divergentes nessas afirmações. Os representantes do local disseram que, inicialmente, Batucada foi apresentado à clínica como um cachorro de rua, ou seja, não possuía dono algum. Contaram, ainda, que, no primeiro momento, quem levou Batucada foi um funcionário de uma loja do marido da mulher que se apresenta responsável pelo cão atualmente, fato que só foi reconhecido depois.

Durante a primeira consulta, foi identificado que Batucada estava apresentando uma hérnia no ânus. Segundo os representantes, o rapaz que acompanhou o cão informou que o mesmo estava com dificuldade de defecar havia três meses. Na época, o médico veterinário que atendeu o paciente disse que o mesmo precisaria de cirurgia, já que remédios não resolveriam a situação. Como acreditavam que se tratava de um animal de rua, a clínica concedeu, para o procedimento, um desconto maior que 50%.

Depois desse fato, que aconteceu em junho de 2020, após três meses, em setembro, o mesmo funcionário retornou com Batucada, que estava, dessa vez, com o reto projetado para fora. Com isso, foi realizada a consulta e um procedimento de emergência, além da solicitação de uma ultrassonografia para verificarem como estava o abdômen do animal – que não foi autorizada. Em seguida, foi explicada novamente a possibilidade da realização de uma nova cirurgia, pois o cachorro já tinha histórico de uma hérnia no ânus e, nesse momento, um prolapso de reto. Mais uma vez foi dado um desconto acima de 50% para a realização dos procedimentos.

Um dos responsáveis pela clínica explicou, ainda, que, na primeira vez que o animal foi até lá, o mesmo apresentava a hérnia no ânus por fazer muita força para defecar. Dessa vez, a projeção do reto para fora, é pelo contrário. “Como ele comia resto de comida (…), como o próprio funcionário nos informava, ele (Batucada) tinha diarreia, então, essa diarreia fazia o reto dele sair (…)”, pontuou.

Ainda em setembro, conforme relatam, o cachorro retornou à clínica, mas agora acompanhado pelo marido da mulher que se apresenta como responsável por Batucada – fato que, até esse momento, eles não sabiam. Mais uma vez o cão apresentou a projeção do reto. “E a gente explicando que tinha que ter cuidado, tinha que ter alimentação adequada, pois era um problema grave”, afirmou um dos responsáveis pelo estabelecimento. Então, com 2 kg a menos devido à recidiva do prolapso de reto, o cachorro passou por mais um procedimento de emergência para resolver a situação. Dessa vez, ele permaneceu internado na clínica por mais de uma semana, com o objetivo de ter um acompanhamento do pós-operatório. Já em outubro, quando foi observado que ele estava defecando bem, o mesmo foi liberado.

Os responsáveis reafirmam, ainda, que novamente foram mencionados os cuidados que o cão deveria receber. Contudo, após um mês, em novembro, ele voltou à clínica, novamente com o prolapso de reto, só que, dessa vez, o órgão apresentava necrose e miíase, que é popularmente conhecida como bicheira. Foi indicada outra cirurgia, porém, diferente do que foi denunciado pelo advogado da dona de Batucada, dizendo que o médico veterinário orientou pelo procedimento, o acompanhante do animal disse que “ele não tinha mais jeito e que queria realizar a eutanásia”. Na situação, o médico veterinário orientou que não se tratava de um caso para essa intervenção, mas, mesmo assim, houve insistência.

Com isso, eles explicaram que o documento apresentado pela dona de Batucada é, na verdade, obrigatório para qualquer procedimento da clínica.

Foi então que a mulher que se apresenta como a dona do cachorro apareceu. Eles contam, também, que ela dizia que não aguentava mais ver o animal sofrer e que não entendia o porquê dele não melhorar. Depois disso, ela também solicitou pela eutanásia.

Após tanta insistência, conforme contam, eles aceitaram realizar o procedimento. Só que, enquanto ficava no canil da clínica, o cão apresentou melhora. “Não foi premeditado, não. A gente chegava lá ‘vamos sacrificar o Batucada’, aí chegava e estava lá o bicho abanando o rabo… lambia a gente… aí eu falei: ‘poxa, eu não tenho coragem de fazer um negócio desse’. (…) Então eu falei o seguinte: ‘quando recidivar, já que está recidivando tanto, (…) a gente sacrifica ele quando for operar’. Cadê que aconteceu? Nunca mais! (…)”.

Além disso, eles pontuaram que a mulher não pagou pela eutanásia, apenas pela metade da cremação, que foi destinada para uma terceira clínica, já que esse estabelecimento não realiza esse tipo de procedimento.

Confira as provas:

Tentativa de acordo

A clínica afirma, também, que tentou, por duas vezes, devolver o animal à dona, contudo, a mesma resistiu. Na primeira, um dos responsáveis pelo estabelecimento disse que informou, através de sua secretária, à mulher que, para entregar o cão, ela teria que abrir um procedimento no Direito dos Animais na OAB para ter um acompanhamento de um advogado do bem-estar animal para que seja comprovado o bom tratamento de Batucada, já que o mesmo apresentava indícios de maus tratos. Além disso, solicitou a retirada do processo contra a clínica. As condições não foram aceitas. Na segunda vez, eles contam que, dentro da OAB, na comissão de proteção aos animais, eles ofereceram o mesmo acordo, só que ela não aceitou novamente.

Dois anos depois

Após dois anos sendo cuidado pela clínica, Batucada engordou 5 kg e aparenta ser outro cachorro. Atualmente, com 12 anos, ele é cuidado pelos veterinários do estabelecimento que, nos exames, identificaram um tumor no coração, que é ali tratado. Hoje em dia ele passeia diariamente com funcionários.

Lá, foram oferecidos tratamentos para a doença do carrapato, exames de sangue, ultrassonografias, consultas com cardiologista, vacinas, entre outros. Todos os procedimentos são arcados pela clínica. Eles pontuaram, ainda, que a mulher que se apresenta como dona não deve nenhuma quantia ao estabelecimento, diferente do que afirmou o advogado na denúncia.

Para finalizar, disseram que, em uma das decisões, o juiz afirmou que “queria que o animal permanecesse na clínica, já que era aonde o mesmo estava sendo bem cuidado”.

Confira imagens do animal:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui