Jacarés surpreendem banhistas em praias da Região dos Lagos

A bióloga Jacqueline Barros explica que o tempo possui grande influência nessas aparições e que, por conta das chuvas, os animais estão se deslocando

1934

A Quarta-Feira de Cinzas (2) amanheceu de uma maneira diferente em alguns pontos da Região dos Lagos. O aparecimento de jacarés em locais não tão habituais tem surpreendido moradores e visitantes.

Na manhã desta quarta (2), o primeiro relato veio da Praia da Florestinha, em Tamoios, no segundo distrito de Cabo Frio, onde um jacaré foi visto na água. Depois, uma moradora andando de bicicleta em Búzios, próximo ao Rio Una, também avistou o réptil nas areias e fez um alerta, dizendo que havia mais na água.

“O moço falou que entraram uns quatro (jacarés) dentro da água, eles podem estar escondidos nas águas escuras. Tomem muito cuidado! Não é brincadeira!”, alerta ela.

A bióloga Jacqueline Barros explica que, na verdade, esses animais costumam mesmo aparecer na localidade, apesar de não se ouvir falar com frequência.

“Os jacarés-de-papo-amarelo existem aqui na nossa região, geralmente estão nos arredores da laguna de Araruama, na parte que tem brejo, de menos salina. Por exemplo, aqui em Cabo Frio, ali nos Lençóis do Peró, é uma região que tem esse jacaré e se você observar, vai achar. Só que quase não é divulgado, até pra não espantar…”, comenta.

Ela explica, ainda, que o tempo pode ser o principal influenciador que esteja contribuindo para esse aparecimento constante.

“Por conta do excesso de chuvas, eles estão se deslocando. Ou eles estão se deslocando em uma enxurrada ou estão se perdendo. É super normal a gente encontrar esses animais aqui na região, mas como eles estão em deslocamento, acabam sendo vistos”, diz a bióloga.

Os jacarés-de-papo-amarelo são animais de água doce e não gostam da salinidade. Com isso, a explicação mais assertiva é que, quando visto em águas salgadas, o animal provavelmente esteja procurando sair dali, procurando uma lagoa.

Perguntado sobre o mesmo tema, o biólogo Juarez Lopes explicou também que a Região dos Lagos é muito propícia para esses animais e, na realidade, são os humanos que estão avançando e ocupando o habitat deles.

“É fruto do desequilíbrio, da ocupação urbana, da conurbação urbana, que acaba avançando sobre áreas que antigamente eram específicas”, ressalta ele.

COBRAS VENENOSAS NAS AREIAS DA PRAIA

Um outro acontecimento que também espantou os banhistas foi o aparecimento de cobras venenosas em algumas praias da Região dos Lagos. A reportagem também perguntou a Bióloga Jacqueline Barros sobre esse fenômeno, e se também pode ter relação com o tempo.

Ela diz que sim, e afirma: “A gente tem que lembrar que os rios sempre desaguam no mar, então, geralmente, a correnteza vai ser nessa direção. E isso causa sim o deslocamento das cobras”.

E, assim como o biólogo Juarez, ela enfatiza que esses animais estão em suas localidades e explica que todos eles gostam de ficar escondidos em seus nichos mas, com eventos como chuvas e tempestades, por exemplo, eles acabam tendo que migrar. Com isso, acabam em praias ou até em algumas moradias.

Fonte: O Dia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui