Associações de Moradores celebram ‘Dia Nacional do Líder Comunitário’

Encontro na sede da Prolagos, reuniu representantes dos bairros de São Pedro da Aldeia

98

As lideranças comunitárias são essenciais para o desenvolvimento das comunidades. Elas zelam pelo bem comum e cobram políticas públicas que irão gerar benefícios para toda população. Para ouvir as demandas dos moradores, trocar ideias que podem proporcionar uma melhor experiência aos aldeenses e em celebração ao Dia Nacional do Líder Comunitário (05), a Prolagos reuniu na sede da concessionária, as lideranças dos bairros de São Pedro da Aldeia, por meio do programa Afluentes.

“A gente tem uma parceria muito boa com a concessionária. É um canal onde qualquer necessidade que a gente tenha na comunidade, que esteja relacionado com o trabalho da empresa, a gente consegue uma solução ou uma resposta para o que precisamos”, relata Marcelle Ramos, presidente da Federação Municipal das Associações de Moradores do município (Femamspa).

O encontro, conduzido pela equipe de Responsabilidade Social, criou uma oportunidade para que as associações tirassem dúvidas com o diretor-presidente da concessionária, Pedro Freitas, sobre o sistema de “Captação em Tempo Seco”, que capta as contribuições que passam pelas galerias pluviais e encaminha para a estação de tratamento, adotada nas cidades da Região dos Lagos, e o abastecimento nas cidades da área de concessão da empresa. “O saneamento é um tema muito complexo, principalmente, o tratamento do esgoto. Ter a oportunidade de estar próximo das lideranças, explicar o funcionamento do nosso sistema, esclarecer como funciona o contrato de concessão e a responsabilidade de cada agente nesse processo, é muito importante”, pontua o executivo.

Em 1998, quando a Prolagos assumiu os serviços de saneamento nas onde atua, todo o esgoto in natura era despejado na Lagoa de Araruama e nas praias. A maior laguna hipersalina em estado permanente do mundo estava em avançado estado de degradação ambiental. Para ajudar na sua recuperação, a sociedade civil organizada solicitou a mudança do contrato, propondo que as concessionárias que atuam na Região dos Lagos antecipassem os investimentos em esgoto e aderissem ao sistema de captação a tempo seco, onde o esgoto que corre pela drenagem pluvial é desviado para coletores e o resíduo transportado para as estações de tratamento, retornando para o meio ambiente dentro dos padrões ambientais.

Com a mudança aprovada pelo poder concedente, Ministério Público e pela Agência Reguladora (Agenersa), em 23 anos, o índice de atendimento em esgotamento sanitário saltou de 0 para 80,12% e todo esgoto coletado é tratado. Além disso, a concessionária construiu 38 km de rede coletora, que atuam como cinturões, blindando a laguna e captando o esgoto que chega pela rede de drenagem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui