InícioRegião dos LagosArraial do CaboAlemanha pode ser julgada por naufrágio de pesqueiro em Arraial, causado pelo...

Alemanha pode ser julgada por naufrágio de pesqueiro em Arraial, causado pelo maior submarino nazista na 2ª Guerra

'Os pescadores do Changri-Lá foram covardemente assassinados enquanto trabalhavam buscando o sustento de suas famílias e isso não podia ficar sem uma resposta por conta de uma possível imunidade de jurisdição', diz advogado

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a Alemanha poderá ser julgada no Brasil por ter naufragado uma embarcação no litoral de Arraial do Cabo, em 1943. O pequeno navio Changri-Lá foi alvo de um submarino nazista e, desde então, as famílias dos pescadores mortos no ataque buscam justiça.

Uma ação requerendo reparação por danos morais e materiais foi ajuizada por eles em 2006, mas a imunidade de jurisdição da Alemanha representava um obstáculo. Agora, porém, a maioria dos ministros no STF deu provimento ao recurso extraordinário para anular a sentença que extinguira o processo sem resolução de mérito.

— Os pescadores do Changri-Lá foram covardemente assassinados enquanto trabalhavam buscando o sustento de suas famílias e isso não podia ficar sem uma resposta por conta de uma possível imunidade de jurisdição — disse o advogado Luiz Roberto Leven Siano, que representou os cinco parentes das vítimas que entraram com o pedido.

Com o resultado, determinado por 6 votos a favor das vítimas contra 5, o advogado contou que seus clientes ficaram todos “muito felizes com a decisão”, ainda que estejam “cansados” diante do intervalo — de 78 anos — para vislumbrarem um avanço em seu propósito.

— Da minha parte vejo como um marco histórico no Direito Internacional Brasileiro e, especialmente, no tocante a proteção internacional dos direitos humanos — disse Leven Siano. — Até então nunca se admitiu processar um Estado por ato de império, mas apenas por atos de gestão. A decisão é realmente inédita e se aproveita para qualquer brasileiro que tenha seus direitos humanos violados por qualquer outro Estado.

Conforme consta na decisão, foi fixada a tese de que “os atos ilícitos praticados por Estados estrangeiros em violação a direitos humanos não gozam de imunidade de jurisdição”, nos termos do relator, ministro Edson Fachin.

A tese que foi descartada após votação entre os ministros negava provimento ao recurso, defendia como “absoluta” a imunidade de jurisdição de Estado estrangeiro, “considerado ato de império praticado em contexto de guerra, ainda que em jogo violação de direitos humanos”.

O avanço na busca por justiça foi celebrado pelo advogado das famílias das vítimas.

— Com essa decisão, se quebra um paradigma de que um Estado não possa ser processado em qualquer lugar por seus excessos e horrores atentatórios aos direitos humanos — avaliou Leven Siano. — O fundamento da nossa tese, agora consolidada como um enunciado vinculante do STF é que o Estado serve para proteger e não para violar os direitos humanos — destacou.

Segundo a Justiça Federal, o naufrágio foi visto como um mistério até 1999, quando pesquisas do historiador Elísio Gomes Filho confirmaram que o pesqueiro tinha sido atingido pela Alemanha. Para isso, Gomes Filho estudou as coordenadas descritas pelo diário de bordo do U-199, o maior submarino usado pelas forças armadas da Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.

Pouco depois que o Changri-lá afundou, o U-199 foi abatido em operação realizada pelas marinha brasileira e norte-americana. Uma vez capturado, o capitão Hans Werner Krauss confessou que seu submarido atingiu um navio que, em 2001, foi reconhecido como sendo o Changri-Lá pelo Tribunal Marítimo.

*Com informações dO GLOBO.

Letycia Rocha
Graduada em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Universidade Veiga de Almeida. Atuou como produtora/repórter na Lagos TV e Coordenadora de Programação na InterTV - Afiliada da Rede Globo. Editora no Blog Cutback e colaboradora no jornal O Dia.
VEJA TAMBÉM
- Advertisement -
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img

Mais Lidas

Skip to content