InícioCabo Frio#15MINUTOSNORC / 'Poucos sabem e muitos falam. Estamos num ritmo confiável', garante...

#15MINUTOSNORC / ‘Poucos sabem e muitos falam. Estamos num ritmo confiável’, garante Felipe Fernandes sobre o plano de vacinação contra a Covid

Secretário de Saúde de Cabo Frio responde a várias perguntas de internautas sobre o ritmo da imunização na cidade. 'Só sabemos quando a vacina vai chegar um dia antes', destacou

O secretário de Saúde de Cabo Frio foi o convidado do #15MinutosNoRC desta sexta-feira (9), onde esclareceu como a questão logística, entre outros, afeta o ritmo da imunização na cidade. Uma das maiores reclamações é acerca da morosidade no processo de vacinação contra a Covid no município.

Segundo Felipe, a questão da lentidão é comum a várias cidades e que, “infelizmente poucos sabem o que se passa e muitos falam”. “Só sabemos quando a vacina vai chegar um dia antes. Ainda não há como acelerar esse processo. Mas estamos num ritmo confiável”, disse.

O secretário lembrou ainda que a vacinação é, sim, realizada todos os dias, de segunda a sexta. Nos postos e drive thru, as aplicações acontecem de terça a quinta; na segunda e na sexta, o público imunizado engloba idosos acamados e profissionais de saúde.

Além disso, destacou que Cabo Frio, hoje, trabalha com imunizantes que necessitam de duas aplicações, a Coronavac (que tem de 21 a 28 dias de intervalo) e a Oxford/Astrazeneca (três meses de intervalo).

Paralelo a isso, Felipe destacou que a prefeitura está treinando mais profissionais para aplicação de vacina. “Não é qualquer um que vacina, tem que ter treinamento e habilidade, não podemos correr o risco de perder doses. Estamos treinando mais pessoas para ampliar ao máximo a vacinação”.

O secretário de Saúde contou ainda sobre como está a questão dos leitos na cidade, testagem rápida e a falta que o Unilagos está fazendo.

A propósito, o boletim mais recente do panorama epidemiológico em Cabo Frio saiu na manhã desta sexta. O município tem, no momento, 8.778 casos confirmados e 419 mortes. Com relação à ocupação de leitos, 89% de UTI e 50% de enfermaria.

“E, na minha opinião, se não formos mais firmes nas restrições vai continuar faltando leito”, completou Felipe Fernandes,

Confira a entrevista na íntegra:

VEJA TAMBÉM
- Advertisement -
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img
- Advertisment -spot_img

Mais Lidas

Skip to content