Tráfico de drogas está na mira da delegata de Cabo Frio

Flávia Góes promete combater tráfico de drogas, crime diagnosticado como o mais nocivo em toda região


O tráfico de drogas será o principal alvo da nova delegada-titular da 126ª DP (Cabo Frio), Flávia Góes Romero de Barros. Ela acaba de assumir, oficialmente, a delegacia com maior registro de ocorrência da Região dos Lagos com a promessa de combater a venda de entorpecentes. Para ela, o comércio ilegal fortalece a criminalidade e alimenta outros tipos de crime como roubo e, principalmente, homicídio.

"Já temos ciência de que o tráfico de drogas é o principal crime a ser combatido, não só em Cabo Frio, mas em toda região. Eu nunca quis ser juíza, promotora, meu sonho sempre foi ser delegada. E, antes, eu fui tira. Então, sei exatamente o que cada policial (civil) passa. Sei que ninguém chega onde eu cheguei sozinho e espero a participação de todos", disse Flávia, que tem 10 anos de Policia Civil.

Integrar as forças de segurança e a sociedade como um todo é outra grande preocupação. Na presença do comandante do 25º BPM, tenente-coronel Ruy França, comandante do 18º GBM, tenente-coronel Leonardo Couri, e autoridades municipais, ela pediu integração de todos – e da população.

"Por onde passei procurei trabalhar com afinco para atender a população. A 14ª DP (Leblon) tinha essa fama, de atender bem a população. Delegacia é um lugar onde as pessoas vão com um problema, buscar uma solução e esse é o dever do policial. É preciso também que a sociedade confie, deposite confiança no nosso trabalho", pediu a delegada.

A cerimônia de troca de titularidade aconteceu na sala de reuniões da 126ª DP e contou com presença de autoridades municipais – entre eles, o secretário de Saúde Dirlei Pereira representou a prefeitura; chefe do Departamento Geral de Polícia do Interior (DGPI), Jose Renato Magnani Chernicharo, tenente-coronel Ruy França, comandante do 25º BPM, acompanhado por oficiais; Juliana Rattes, titular da 132ª DP (Arraial); Cláudia Faissal, da Deam; e policiais civis.

As Panteras da região

Apelidadas pelo RC24H como "As Panteras", as delegadas da Região dos Lagos são só sorrisos com o carinhoso apelido, mas levam a missão a sério. Para a experiente Claudia Faissal, trabalhar com uma delegada ao lado é uma experiência nova e motivante.

"É motivante ter uma vizinha delegada. Sempre trabalhei com delegados, vai ser uma experiência nova. Vai ser bem interessante, poderemos trocar muitas informações. No caso da violência de gênero, sabemos que muito acontece por conta da dominação dos homens sobre as mulheres. A presença de mais uma chefia feminina põe isso por terra. Ninguém quer dominar ninguém, cada um tem seu espaço.  ", disse Claudia Faissal, a chefe da Deam.

Para elas, que chamam a atenção por serem belas mulheres, a questão de gênero é algo que não merece diferenciação. A competência não é exclusividade de nenhum segmento.

"A mulher vem assumindo a sua real posição em diversos setores na sociedade. Na polícia, não seria diferente. Não vejo diferença, existem tanto homens quanto mulheres competentes e incompetentes. Toda mudança é motivadora, renovadora. O Luiz Cláudio é um homem muito inteligente e tenho certeza que a Flávia vai dar sequência ao bom trabalho", disse Juliana Rattes, titular da 132ª DP (Arraial).

Dever cumprido

Luiz Claudio Cruz, que troca a 126ª DP (Cabo Frio) pela 29ª DP (Piedade), de onde vem Flávia, se despede da cidade com a sensação de dever cumprido. Para ele, as principais metas foram atingidas, principalmente, na autoestima do policial. Em dez meses como delegado-titular, ele acredita entregar uma delegacia melhor do que a assumiu.

"Acho que Cabo Frio passou por uma revolução. Saio com a sensação de entregar nas mãos da Flávia uma delegacia melhor. Nesse tempo que estive à frente da 126ª DP, vi os policiais se transformarem. Ouvi depoimentos que me tocaram, de servidores que se empenharam em se recuperar de doenças para reassumir sua função na delegacia e poder contribuir para a sociedade", disse Luiz Cláudio, que fez questão de agradecer nominalmente aos policiais.

Luiz Cláudio cruz deixa também a expectativa de mais celeridade nos resultados do Núcleo Integrado de Homicídios (NIH), que foi criado há um ano, quando era titular da 125ª DP (São Pedro). Para ele, o trabalho de investigação será capaz de gerar cada vez mais resultados.

"Um dos grandes avanços da Polícia Civil na Região dos Lagos foi o Núcleo Integrado de Homicídios (NIH), um projeto inovador que tem muito a contribuir na investigação dos crimes de assassinato. Hoje, ele atinge uma maturidade que pode proporcionar muito mais resultados do que antes", acredita.
Categorias: Polícia

Fotos da notícia




Outras notícias