Boca Miúda

BOCA MIÚDA: Os bastidores da política na Região dos Lagos nesta terça-feira (5)

Denúncias de vereador não influenciaram operação da PF; Confusão das Hildas; Como vai ficar o Dia D; Primer atuava em São Pedro; Porto do Forno consegue liberar verba bloqueada; Bafafá na Câmara de Iguaba Grande

Em: 05/12/2017 às 18:55:54
da Redação

“VEREADOR NÃO INFLUENCIOU”

Embora o vereador Rafael Peçanha tenha tido a atitude de denunciar os esquemas da COMSERCAF na gestão Claudio Moreira, o delegado titular das investigações, Dr. Laterça, negou enfaticamente que as investigações foram motivadas pela denúncia do parlamentar. O delegado destacou ainda que nesta primeira fase, as investigações e prisões são referentes a esse ano de 2017. Mas que a PF não vai parar por aí. “Estamos cientes do que se passa na autarquia há tempos, mas não podemos dar maiores informações. Apenas quero dizer a população, que nosso trabalho não encerra por aqui. Só não predemos mais, porque é muito bandido para pouco mocinho”, explicou o delegado. Dr. Laterça ressaltou ainda que não só o governo passado está sendo investigado, como outras cidades da região também estão na mira da PF.

 

 

 

COMO FICARÁ O DIA D?

O escândalo foi grande e deixou o governo preocupado, ainda mais que nesta quarta-feira (6) será o Dia D do governo de Marquinho Mendes. Data em que está prevista a abertura das propostas dos bancos que se interessaram pela compra da folha de pagamento da Prefeitura. E agora? Com o governo mergulhado em mais um escândalo será que a mesma vai ocorrer? Será que os bancos vão aparecer? Lembrando que a venda da folha é a aposta do governo para pagar o 13º salário dos servidores, além dos pagamentos em atraso.

 

 

 

TODO MUNDO QUER SABER

Mas o que todo mundo quer saber é: por que a PF e o MP não investigaram a autarquia na época em que Alair Corrêa era prefeito? Esse questionamento foi feito pelos quatro cantos da cidade. Bem, segundo Dr. Laterça, na época não havia provas que desse materialidade ao caso. Mas ele garante que nada foi esquecido. E mais, que as investigações não só podem retornar ao passado, como também podem avançar nas fronteiras do município.

 

 

 

 

CONFUSÃO DE HILDAS

A Hilda envolvida na operação Basura, não é a mesma pessoa do famoso “Restaurante da Hilda” de Cabo Frio. Muita gente na cidade confundiu as Hildas. A empresária do ramo gastronômico nada tem a ver com COMSERCAF, tampouco casada com Claudio Moreira. Apenas homônimas. Mas o que teve de gente misturando as bolas, não está no gibi.

 

 

 

 

 

PRIMER EM SÃO PEDRO DA ALDEIA

O ex-vereador de São Pedro da Aldeia, Robinho do RX, entrou em contato conosco para lembrar que a Prime, empresa envolvida no escândalo da Comsercaf, a mesma que é registrada em Portugal, em nome de laranjas, e sede em Minas Gerais, já teve contrato milionário com a Prefeitura aldeense. Fato aliás que foi denunciado por Robinho e alvo de requerimentos apresentados na Câmara. E mais, o ex-vereador lembrou que a empresa tinha contrato de aluguel de ambulâncias no município aldeense, que constam no relatório da CPI da Saúde, realizada na legislatura passada.

 

 

 

 

CABO FRIO É PINTO PERTO DE BÚZIOS

Claro que o escândalo da Comsercaf repercutiu em toda a região. Em Búzios, o ex-candidato a prefeito, Cláudio Agualusa, em postagem feita no Facebook, afirmou que o ocorrido no município vizinho é pouco diante de tudo o que já foi comprovado na península. "É pouco! Sem desmerecer, mas me desculpe o MP e a Polícia Federal, diante de tudo comprovado do governo de Búzios há cinco anos, o escândalo de Cabo Frio é pinto", postou Agualusa.

 

 

 

 

 

 

 

NUVEM CARREGADA NA POLÍTICA

Aliás, cabe aqui um comentário: os políticos da Região dos Lagos enfrentam sérios problemas seja com a justiça ou com a polícia federal. Em Iguaba Grande, a prefeita Grasiella Magalhães, foi afastada do cargo na segunda-feira (4), pela justiça, por fraudes no fornecimento de quentinhas. Em Búzios, o prefeito já foi afastado e segue no cargo sob efeito de liminar, já passou por processo de impeachment na Câmara e se safou por muito pouco. Em Cabo Frio, o prefeito também enfrenta muitos processos que ainda estão em andamento na Justiça. Não bastasse isso, vem esse escândalo da Comsercaf, trazendo muitas trovoadas para a enseada cabo-friense. Em Araruama, a prefeita também enfrentou processo de cassação de mandato, mas acabou vencendo após recorrer em segunda instância. São Pedro, apesar das denúncias, o prefeito segue sem ter a Justiça no pé dele. Pelo menos por enquanto. O prefeito de Arraial do Cabo também não tem problemas judiciais, mas está tendo que se virar com a dívida deixada pelo governo anterior, que aliás, este sim é enterrado em investigações federais e problemas judiciais. Tá puxado, hein?

 

 

 

OPOSIÇÃO ESPERANÇOSA

Em Araruama, a turma da oposição também surfou na onda da Operação Basura, ou pelo menos tentou. Na verdade, os opositores do casal número um da cidade ficou tiveram a esperança renovada nesta terça. Eles torcem, rezam e esperam que a Polícia federal visite a cidade, na tentativa de pegar a prefeita e o marido em alguma fraude. Afinal, como dizem, a esperança é a última que morre.

 

 

 

 

 

 

 

UMA BOA NOTÍCIA PELO MENOS

Após entrar na justiça com uma petição para resgatar uma quantia de quase R$ 1,5 milhão que estava bloqueada na Caixa Econômica Federal, a diretoria do Porto do Forno conseguiu pagar o 13º salário dos funcionários e equilibrar as contas para fechar o ano no azul. A verba estava retida desde 2014, quando foi penhorada pela gestão anterior, devido a uma dívida de quase R$ 20 milhões com a União. Para conseguir desbloquear o recurso, o Porto do Forno efetuou o parcelamento da dívida através do programa Refis. Atualmente, o Porto do Forno possui cerca de 80 funcionários que receberam na sexta-feira (01), o pagamento de novembro mais um adiantamento de dezembro e o 13º salário.

 

 

 

CIRCO EM IGUABA

Em Iguaba Grande, a sessão da Câmara desta manhã, foi marcada por bate-boca entre a bancada governista e a oposição. “Um verdadeiro circo”, segundo internautas. A história é a seguinte: em votação estava a LDO, cuja oposição propôs quatro emendas, entre elas, a que estabelece 5% do valor do orçamento para remanejamento. A prefeita quer 30% ou mais. Em números significa que dos R$ 103 milhões previstos para 2018, Grasiella quer R$ 30 milhões livres para colocar em qual secretaria quiser. Mas os oposicionistas querem liberar pouco mais de R$ 5 milhões. Marcada para as 10h30, a sessão começou já passava das 11h, sem a presença do vereador Adriano Mairink, o Tiquinho, que faz parte da bancada da prefeita. Faltando um edil, a oposição tinha a maioria dos votos para aprovar as quatro emendas. Foi então que a situação começou a enrolar. Tikinho apareceu era mais de meio dia, quando a pauta já estava para votação. A oposição bateu o pé, alegando que ele não poderia votar. Houve bate-boca entre Mairink e Paulo Rito e até recesso de cinco minutos. O presidente da Casa, Balliester Praguer, jogou a decisão para o plenário, que resolveu que Tikinho não poderia votar. Em seguida, em decisão que surpreendeu a todos, Praguer encerrou a sessão.

 

 

 

CIRCO EM IGUABA II

Claro que essa decisão deixou a todos surpresos. A alegação foi que não havia segurança na Casa, que estava com a assistência lotada e os ânimos exaltados. Para os internautas que acompanharam a sessão até a mesma ser repentinamente encerrada e apagada da internet, tudo não passou de uma manobra da prefeita. A mesma que deveria estar afastada do cargo, depois da determinação da Justiça. A situação não pegou bem para os vereadores da base. A expectativa agora é para a sessão de quinta-feira (6). Na Praça Edila Pinheiro, as apostas já foram lançadas. A turma acha que Grasiella até puxou a orelha de Tikinho, para que ele chegue pontualmente na Câmara. 

 

 

 


 Tópicos: Boca Miúda,  política,  Região dos Lagos, 


Fotos





Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Renata Cristiane

contato@rc24h.com.br
Twitter: @renatarc24h
Tel.: 55 (22) 99930-8382
Todo conteúdo publicado neste portal é de responsabilidade exclusiva da redação do RC24h.